Posso pedir a devolução de uma TV mesmo tendo aberto a caixa ?

13
15 de dezembro de 2019
Alguem poderia me ajudar ? Comprei uma Tv RU7100 no site submarino , mas gostaria de devolver , ainda esta valendo o prazo de 7 dias . Posso pedir a devolução mesmo tendo aberto a caixa e ligado a TV ?
Complementos da Comunidade
Dúvidas

Categorias

13 Comentários
Em compras pela internet, dentro do prazo de 7 dias após o recebimento você pode declarar arrependimento, o código de defesa do consumidor assegura esse direito.
Qual o motivo da devolução?
Eu quero saber como faze para mim cartão crédito aí oito de março 36 santo André Elisângela Cristina de nascimento 25anos eu ok também
MoissGonalves16/12/2019 09:50

Qual o motivo da devolução?


Vou pegar uma Lg , achei que a Samsung tem muito pouco recurso comparado a Lg
Claro, Vitor! Até porque, como você iria exercer o direito de se arrepender dela sem nem ter aberto a caixa? kkkk
Na verdade, essa situação é bem nebulosa, pois o artigo 49 do CDC não especifica que o produto deva estar lacrado p/ devolução, porém, também não diz que não precisa estar. Portanto geralmente é a loja quem define essas regras na política de troca. A Kabum, por exemplo, não troca de jeito nenhum, mesmo se o caso for parar na justiça.

O Submarino, segundo a política dele, parece que também não:

"3. Troca ou cancelamento da compra
A devolução de qualquer produto só pode ser feita no prazo de até 7 (sete) dias, a contar da data de entrega com exceção dos itens de Moda, cujo prazo é de até 30 (trinta) dias corridos e para ocorrência de avaria no produto, cujo prazo é de até 2 dias úteis a contar da data do recebimento da mercadoria. Nesse período, se o produto apresentar defeito, ou se você não estiver satisfeito(a) com a compra, comunique nosso setor de atendimento ao cliente e solicite a troca.

Para trocar um produto, as seguintes condições deverão ser observadas:

• o produto deverá ser encaminhado na embalagem original, sem indícios de uso, sem violação do lacre original do fabricante, acompanhado do DANFE (Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica), do manual e todos os acessórios.

•nas solicitações de desistência de produtos das categorias Moda, Vinhos, CDs, DVDs e Livros é imprescindível a etiqueta/lacre do produto.

Os cancelamentos podem ser realizados diretamente no "Minha Conta", no tópico “Cancelar Pedido”."


submarino.com.br/lan…oes

Agora, se vão fazer vista grossa ou não, não sei. A B2W tem o Sou Barato, que vende produtos reembalados, talvez aceitem e essa TV e ela acabe indo parar lá.

Agora, na minha opinião, penso que é completamente abusivo devolver um produto que você retirou do lacre e usou (embora por um curto período). Pois a loja, além de arcar com as despesas de frete, Ainda ficará com um produto deslacrado, que não poderá ser vendido. Ou vai dizer que você gostaria de comprar um item novo, e receber ele aberto, sendo que já foi usado por alguém?

Mas, aí que com o Submarino... Boa sorte.
phython17/12/2019 00:55

Na verdade, essa situação é bem nebulosa, pois o artigo 49 do CDC não esp …Na verdade, essa situação é bem nebulosa, pois o artigo 49 do CDC não especifica que o produto deva estar lacrado p/ devolução, porém, também não diz que não precisa estar. Portanto geralmente é a loja quem define essas regras na política de troca. A Kabum, por exemplo, não troca de jeito nenhum, mesmo se o caso for parar na justiça.O Submarino, segundo a política dele, parece que também não:"3. Troca ou cancelamento da compraA devolução de qualquer produto só pode ser feita no prazo de até 7 (sete) dias, a contar da data de entrega com exceção dos itens de Moda, cujo prazo é de até 30 (trinta) dias corridos e para ocorrência de avaria no produto, cujo prazo é de até 2 dias úteis a contar da data do recebimento da mercadoria. Nesse período, se o produto apresentar defeito, ou se você não estiver satisfeito(a) com a compra, comunique nosso setor de atendimento ao cliente e solicite a troca.Para trocar um produto, as seguintes condições deverão ser observadas:• o produto deverá ser encaminhado na embalagem original, sem indícios de uso, sem violação do lacre original do fabricante, acompanhado do DANFE (Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica), do manual e todos os acessórios.•nas solicitações de desistência de produtos das categorias Moda, Vinhos, CDs, DVDs e Livros é imprescindível a etiqueta/lacre do produto.Os cancelamentos podem ser realizados diretamente no "Minha Conta", no tópico “Cancelar Pedido”."https://www.submarino.com.br/landingpage/atendimento_trocasedevolucoesAgora, se vão fazer vista grossa ou não, não sei. A B2W tem o Sou Barato, que vende produtos reembalados, talvez aceitem e essa TV e ela acabe indo parar lá.Agora, na minha opinião, penso que é completamente abusivo devolver um produto que você retirou do lacre e usou (embora por um curto período). Pois a loja, além de arcar com as despesas de frete, Ainda ficará com um produto deslacrado, que não poderá ser vendido. Ou vai dizer que você gostaria de comprar um item novo, e receber ele aberto, sendo que já foi usado por alguém?Mas, aí que com o Submarino... Boa sorte.


Sim , concordo com a sua opinião , mas penso também que quando compramos pela internet não podemos ver o produto e no caso de uma televisão não podemos ver a sua imagem pessoalmente como em uma loja física . Por isso acho que faz sentido devolver após ter aberto caso não tenho gostando contanto que o produto esteja nas mesmas condições que você recebeu.

Sendo que essa prática é muito comum nos EUA , até mesmo em lojas físicas.

Mas realmente esse código cabe muitas interpretações e isso vai de cada loja , o negócio é tentar.
vitork317/12/2019 11:04

Sim , concordo com a sua opinião , mas penso também que quando compramos p …Sim , concordo com a sua opinião , mas penso também que quando compramos pela internet não podemos ver o produto e no caso de uma televisão não podemos ver a sua imagem pessoalmente como em uma loja física . Por isso acho que faz sentido devolver após ter aberto caso não tenho gostando contanto que o produto esteja nas mesmas condições que você recebeu. Sendo que essa prática é muito comum nos EUA , até mesmo em lojas físicas. Mas realmente esse código cabe muitas interpretações e isso vai de cada loja , o negócio é tentar.


Compreendo, tem esse lado também. Mas essa de não gostar, acaba causando outro problema: imagina com fone de ouvido, por exemplo, se a pessoa for comprando deslacrando e trocando cada vez que não gostasse. Geraria muito preju.

Quanto aos EUA, lá é diferente mesmo, e nem é por causa de lei de CDC. Eles tem um medo louco de perder clientes. Então costumam trocar de bom grado, às nem chegam a pedir comprovante de compra nem nada. Mas também, a educação do povo lá é muito diferente. As chances de golpe aqui são muito maiores do que lá.

Mas voltando à TV, tem que ver o tipo de lacre que ela possui, se for apenas fita, que puder ser recolocada, não creio que terá problema. De qualquer forma, não custa tentar. o/
Pode devolver sim. Ja devolvi um notebook mesmo tendo usado e ter tirado os adesivos, achei q esquentava mt. Ja devolvi celular depois de ter usado por uns 2 dias e ter percebido que a rede dele nao era boa. Porém o produto tem que estar de boa conservação, sem nenhum indicio de uso (arranhão, sujeira e etc...)
phython17/12/2019 11:35

Compreendo, tem esse lado também. Mas essa de não gostar, acaba causando o …Compreendo, tem esse lado também. Mas essa de não gostar, acaba causando outro problema: imagina com fone de ouvido, por exemplo, se a pessoa for comprando deslacrando e trocando cada vez que não gostasse. Geraria muito preju. Quanto aos EUA, lá é diferente mesmo, e nem é por causa de lei de CDC. Eles tem um medo louco de perder clientes. Então costumam trocar de bom grado, às nem chegam a pedir comprovante de compra nem nada. Mas também, a educação do povo lá é muito diferente. As chances de golpe aqui são muito maiores do que lá.Mas voltando à TV, tem que ver o tipo de lacre que ela possui, se for apenas fita, que puder ser recolocada, não creio que terá problema. De qualquer forma, não custa tentar. o/


"geraria" mas não gera.
Você tá preocupado demais com as empresas e de menos com o cliente. O CDC existe pra dar suporte exatamente por isso. Como ele não diz que deve estar lacrado ou não, a interpretação fica aberta aos juristas, mas o peso é que se não há menção a lacre, logo, não a necessidade do mesmo.

Não existe isso de que nos EUA as pessoas têm mais boa fé que aqui. O que existe é um cenário econômico diferente.

E, de fato, se o cliente não tem como avaliar o produto previamente pode se arrepender da compra, não gostar da imagem, etc. Os custos de retorno e cancelamento de venda (porcentagem mínima das transações) são algo que já é previsto e embutido na margem de lucro de grandes empresas. Se não valesse a pena, elas não continuariam vendendo.

Apenas, é claro, aja de boa fé e dentro de seus direitos.
Juxy19/12/2019 21:55

"geraria" mas não gera.Você tá preocupado demais com as empresas e de me …"geraria" mas não gera.Você tá preocupado demais com as empresas e de menos com o cliente. O CDC existe pra dar suporte exatamente por isso. Como ele não diz que deve estar lacrado ou não, a interpretação fica aberta aos juristas, mas o peso é que se não há menção a lacre, logo, não a necessidade do mesmo.Não existe isso de que nos EUA as pessoas têm mais boa fé que aqui. O que existe é um cenário econômico diferente. E, de fato, se o cliente não tem como avaliar o produto previamente pode se arrepender da compra, não gostar da imagem, etc. Os custos de retorno e cancelamento de venda (porcentagem mínima das transações) são algo que já é previsto e embutido na margem de lucro de grandes empresas. Se não valesse a pena, elas não continuariam vendendo.Apenas, é claro, aja de boa fé e dentro de seus direitos.


Pode gerar sim, principalmente se o produto for vendido com uma margem de lucro baixa em caso de promoções.
E não estou preocupado com as empresas, se a empresa pisar na bola, vou ser o 1º a soltar os cachorros. Isso é apenas uma questão de bom senso. Uma coisa é exercer o direito de troca, outra é abusar desse direito. O CDC pode proteger o consumidor, no entanto, o abuso do uso, pode inclusive resultar em punições ao cliente. Não que seja o caso do colega aqui, mas no exemplo de ficar trocando demasiadamente um produto (como no exemplo dos fones que citei), seria considerado sim abusivo. E no caso de abrir um produto e deslacrar, e depois não poder ser mais vendido, dependendo do caso, pode ser considerado também. Mas é como ambos dissemos, como a lei não é explícita quanto a isso, quem resolve são os juristas. Mas, se pegar o exemplo da Kabum, que não troca produto aberto de jeito nenhum, e a anos topa as brigas judiciais, não sei o cliente sai ganhando essa causa não...

E não falei em nenhum momento que nos EUA as pessoas têm mais boa fé do que aqui. Minha visão foi justamente no cenário econômico, pois em um país desenvolvido a desigualdade é menor, e isso faz toda diferença na educação das pessoas. Logo, as chances de golpe aqui são MUITO maiores.
Segue um exemplo:

Mas voltando à devolução, a empresa — geralmente — gerência esses custos, mas nem sempre resolve o problema, prova disso é a própria B2W que vive no prejuízo, não que essa seja a causa, obviamente. Uma coisa é botar na conta as taxas de troca e cancelamento, outra é ficar com produto deslacrado que não pode ser vendido (dependendo do caso). Agora imagina se o colega consegue devolver a TV, vai lá, compra outra, e não gosta também, e quer devolver novamente. Afinal, ele também não tinha como saber como era a qualidade da imagem antes de testar, e a lei também não fala nada sobre o número de vezes que pode realizar a devolução.

Uma coisa é realizar uma troca ou devolução, outra é devolver um produto que talvez não possa ser revendido. Então, como eu disse, não tem nada a ver com defender empresa, afinal, nem sou logista nem nada. Mas ficar abusando um recurso, que nem é bem explicado na lei (no caso do produto deslacrado), mesmo sabendo que isso pode gerar um prejuízo p/ o comerciante, é algo que não me sentiria bem fazendo, na verdade me sentiria mal tirando vantagem de alguém, ainda mais quando a empresa não cometeu nenhum erro e eu poderia ter pesquisado melhor antes da compra.

Mas se você se sente tranquila com isso, tudo bem, vai de cada um. E o judiciário que decida, caso a coisa chegue nesse ponto.
phython19/12/2019 23:38

Pode gerar sim, principalmente se o produto for vendido com uma margem de …Pode gerar sim, principalmente se o produto for vendido com uma margem de lucro baixa em caso de promoções.E não estou preocupado com as empresas, se a empresa pisar na bola, vou ser o 1º a soltar os cachorros. Isso é apenas uma questão de bom senso. Uma coisa é exercer o direito de troca, outra é abusar desse direito. O CDC pode proteger o consumidor, no entanto, o abuso do uso, pode inclusive resultar em punições ao cliente. Não que seja o caso do colega aqui, mas no exemplo de ficar trocando demasiadamente um produto (como no exemplo dos fones que citei), seria considerado sim abusivo. E no caso de abrir um produto e deslacrar, e depois não poder ser mais vendido, dependendo do caso, pode ser considerado também. Mas é como ambos dissemos, como a lei não é explícita quanto a isso, quem resolve são os juristas. Mas, se pegar o exemplo da Kabum, que não troca produto aberto de jeito nenhum, e a anos topa as brigas judiciais, não sei o cliente sai ganhando essa causa não...E não falei em nenhum momento que nos EUA as pessoas têm mais boa fé do que aqui. Minha visão foi justamente no cenário econômico, pois em um país desenvolvido a desigualdade é menor, e isso faz toda diferença na educação das pessoas. Logo, as chances de golpe aqui são MUITO maiores.Segue um exemplo:[Video] Mas voltando à devolução, a empresa — geralmente — gerência esses custos, mas nem sempre resolve o problema, prova disso é a própria B2W que vive no prejuízo, não que essa seja a causa, obviamente. Uma coisa é botar na conta as taxas de troca e cancelamento, outra é ficar com produto deslacrado que não pode ser vendido (dependendo do caso). Agora imagina se o colega consegue devolver a TV, vai lá, compra outra, e não gosta também, e quer devolver novamente. Afinal, ele também não tinha como saber como era a qualidade da imagem antes de testar, e a lei também não fala nada sobre o número de vezes que pode realizar a devolução.Uma coisa é realizar uma troca ou devolução, outra é devolver um produto que talvez não possa ser revendido. Então, como eu disse, não tem nada a ver com defender empresa, afinal, nem sou logista nem nada. Mas ficar abusando um recurso, que nem é bem explicado na lei (no caso do produto deslacrado), mesmo sabendo que isso pode gerar um prejuízo p/ o comerciante, é algo que não me sentiria bem fazendo, na verdade me sentiria mal tirando vantagem de alguém, ainda mais quando a empresa não cometeu nenhum erro e eu poderia ter pesquisado melhor antes da compra. Mas se você se sente tranquila com isso, tudo bem, vai de cada um. E o judiciário que decida, caso a coisa chegue nesse ponto.


Não é abuso, se a pessoa não teve como avaliar certos atributos do produto antes da compra e não está satisfeita com ela. Logo, ela pode se arrepender. É uma questão bem simples. O CDC é uma Lei ampla e não precisa dessas especificidades descrevendo lacre, porque, como seu nome já diz, sua função é defender o consumidor de abusos cometidos pelo comércio.
Se o produto se encontra em plena saúde física, à exceção de lacre da caixa, como você mesmo citou, existem sites como o Sou Barato (que, aliás, muitas vezes tem reembalados por valores mais altos que produtos novos em promoção). Ou seja: já existe solução para esse tipo de situação.
E, digo mais: trabalhei por muito tempo com venda online e o percentual de desistência sempre foi muito pequeno. Inclusive porque o próprio consumidor não quer ter essa dor de cabeça.

Às vezes, a gente tá tão condicionado em pensar no lado da empresa que acha que pensar no nosso lado é "dar uma de esperto" e não se esquece que, na verdade, é apenas justo. Afinal, se estamos nos matando de trabalhar para pagar por um produto , devemos nos satisfazer com o que nos é entregue.
Juxy20/12/2019 14:20

Não é abuso, se a pessoa não teve como avaliar certos atributos do produto …Não é abuso, se a pessoa não teve como avaliar certos atributos do produto antes da compra e não está satisfeita com ela. Logo, ela pode se arrepender. É uma questão bem simples. O CDC é uma Lei ampla e não precisa dessas especificidades descrevendo lacre, porque, como seu nome já diz, sua função é defender o consumidor de abusos cometidos pelo comércio.Se o produto se encontra em plena saúde física, à exceção de lacre da caixa, como você mesmo citou, existem sites como o Sou Barato (que, aliás, muitas vezes tem reembalados por valores mais altos que produtos novos em promoção). Ou seja: já existe solução para esse tipo de situação.E, digo mais: trabalhei por muito tempo com venda online e o percentual de desistência sempre foi muito pequeno. Inclusive porque o próprio consumidor não quer ter essa dor de cabeça.Às vezes, a gente tá tão condicionado em pensar no lado da empresa que acha que pensar no nosso lado é "dar uma de esperto" e não se esquece que, na verdade, é apenas justo. Afinal, se estamos nos matando de trabalhar para pagar por um produto , devemos nos satisfazer com o que nos é entregue.


Pode não ser abuso no caso do colega, mas exagerar em trocas, como no exemplo que citei acima, pode sim configurar abuso, e punição p/ o cliente. Seja ela aplicada judicialmente ou pela própria loja. A Amazon inclusive chegou a banir usuários que trocavam roupas d+, pois agiam como se estivessem em um provador.

E discordo quando à lei não precisar especificar essa questão do lacre, isso é uma falha na lei. Qualquer lei que da margem p/ interpretação subjetiva é considerada falha. O melhor seria dizer claramente, se o produto deve ou não estar lacrado no ato da devolução, isso evitaria esse embrolho de reclamações no Reclame Aqui, ações no Procom, e até processos. Ainda mais quando o resultado pode variar, dependendo do juiz.

O Sou Barato é uma ideia interessante, até citei ele p/ o colega acima. Mas a B2W é a única empresa que tem uma subsidiária desse tipo, as demais não tem. P/ uma empresa pequena então, isso seria quase impossível.

E sim, é obvio que o número de desistências será muito menor que o de vendas, mas existe, e varia de loja p/ loja; pega uma Zattini, por exemplo, onde a peça pode servir, ou não. E detalhe, o foco da conversa não está em desistir, na verdade nem critiquei isso, e sim essa questão de deslacrar um produto, que não poderá voltar ao estoque, ou abusar do número de trocas.

Mas enfim, como eu disse, não estou do lado da empresa, apenas prefiro deixar as coisas equilibradas. Usufruo do CDC também; já fiz trocas e devoluções, apenas prefiro não abusar dele quando a empresa não fez nada de errado.
Qual a sua opinião?
Avatar
@
    Texto

    Análises/Dúvidas